Exmos. Senhores,

A excelência das relações bilaterais entre Portugal e Marrocos estão reflectidas na qualidade do relacionamento político e económico que une ambos os países.

Entre Janeiro e Dezembro de 2017 e de acordo com o INE, Portugal exportou mercadorias no valor 730 milhões de euros para Marrocos  (+2,5%) e importou 152 milhões de euros. A balança comercial é, pois, favorável a Portugal, com uma taxa de cobertura superior aos 400%. Por sua vez, o investimento direto estrangeiro (IDE) português é traduzido por mais de duas centenas de empresas lusas implementadas em várias regiões marroquinas.

Com uma taxa de crescimento média de 4% ao longo dos últimos anos, Marrocos conseguiu manter um dinamismo económico sustentável. Por sua vez, os 35 milhões de consumidores e uma classe média cada vez mais representativa proporcionam, pela sua proximidade geográfica e complementaridade, um mercado potencial ímpar.

Os projectos na área automóvel da Renault em Tânger, do grupo PSA em Kenitra, os centros dedicados à indústria aeronáutica, as extensas redes de autoestradas, de caminhos-de-ferro, de portos e aeroportos, os novos metros de Rabat e de Casablanca, os vários projetos imobiliários e turísticos e a reabilitação do património constituem a face visível do progresso realizado. A construção da linha de TGV entre Tânger e Casablanca (já na fase de ensaios), as obras da segunda fase do complexo portuário e logístico de Tânger -Med, a aposta nas energias renováveis e os ambiciosos programas em matéria de turismo e de habitação oferecem perspetivas reais de estabilidade e de desenvolvimento. Este dinamismo, aliado à segurança e estabilidade politica, potencia o crescimento de todas as fileiras: o material elétrico e eletrónico, os produtos metálicos e metalúrgicos, os materiais de construção, os produtos farmacêuticos e cosmético, os produtos alimentares, os têxteis, o calçado, etc. Em termos de investimento estrangeiro, Marrocos já é o 1° país africano a atrair o IDE com 47 mil milhões de dólares nos 7 últimos anos. Segundo o barómetro de Ernst & Young (EY), Marrocos encontra-se na pole position dos países mais atrativos em África.

De referir, ainda, que Marrocos é um país que dispõe do dito “estatuto avançado” junto da União Europeia. A livre circulação de mercadorias é quase total, estando já a zona de comércio livre a produzir o seu pleno efeito desde o ano de 2012.

Finalmente, a política africana de Marrocos confere ao país uma dimensão adicional. Em 2015, os investimentos marroquinos no estrangeiro tiveram o continente africano como alvo preferencial colocando o país no 5º lugar dos investidores mundiais, naquele continente, e no primeiro entre os países africanos. Esta tendência vai certamente permanecer na medida em que o volume anunciado para os próximos tempos ultrapassa os 8 mil milhões de euros. A presença marroquina em África encontra-se ancorada em áreas estratégicas tais como a banca, as telecomunicações, as minas, a logística, distribuição, a banca, os seguros etc. Perspetiva-se, também, a adesão a breve trecho á Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CDAO).

É neste contexto, que a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Marroquina organiza uma nova missão empresarial multissectorial a Marrocos de 09 a 11 de Maio de 2018 onde procuraremos ir ao encontro dos objetivos específicos dos participantes, facultando contactos diretos com importadores e parceiros locais.

Na expectativa da vossa participação, apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

Tawfiq Rkibi

Presidente

 

 Rua Manuel da Silva Leal, 1 C – Escritório 3 – 1600-166 Lisboa

Tel: (351) 213 970 036 – Fax: (351) 213 970 588 – sofia.sousa@ccilm.pt – ccilm@ccilm.pt – http://ccilm.pt/