Exmos. Senhores,

A excelência das relações bilaterais entre Portugal e Marrocos estão reflectidas na qualidade do relacionamento político e económico que une ambos os países.

Entre Janeiro e Junho de 2018 e de acordo com o INE, Portugal exportou mercadorias no valor mais de 399 milhões de euros para Marrocos e importou 85 milhões de euros. A balança comercial é, pois, favorável a Portugal, com uma taxa de cobertura de mais 469 %. Por sua vez, o investimento direto estrangeiro (IDE) português é traduzido por mais de duas centenas de empresas lusas implementadas em várias regiões marroquinas.

Com uma taxa de crescimento média de 4% ao longo dos últimos anos, Marrocos conseguiu manter um dinamismo económico sustentável. Por sua vez, os 35 milhões de consumidores e uma classe média cada vez mais representativa proporcionam, pela sua proximidade geográfica e complementaridade, um mercado potencial ímpar.

Os projectos na área automóvel da Renault em Tânger, do grupo PSA em Kenitra, os centros dedicados à indústria aeronáutica, as extensas redes de autoestradas, de caminhos-de-ferro, de portos e aeroportos, os novos metros de Rabat e de Casablanca, os vários projetos imobiliários e turísticos e a reabilitação do património constituem a face visível do progresso realizado. A construção da linha de TGV entre Tânger e Casablanca (já na fase de ensaios), as obras da segunda fase do complexo portuário e logístico de Tânger-Med, a aposta nas energias renováveis, onde Marrocos já é um dos líderes mundiais, e os ambiciosos programas em matéria de turismo e de habitação oferecem perspetivas reais de prosperidade e de desenvolvimento. Este dinamismo, aliado à segurança e estabilidade politica, potencia o crescimento de todas as fileiras: o material elétrico e eletrónico, os produtos metálicos e metalúrgicos, os materiais de construção, os produtos farmacêuticos e cosmético, os produtos alimentares, os têxteis, o calçado, etc.

Em termos de investimento estrangeiro, Marrocos é o 2° país africano a atrair o IDE (a seguir à África do Sul) com 47 mil milhões de dólares nos 7 últimos anos.

De referir, ainda, que Marrocos é um país que dispõe do dito “estatuto avançado” junto da União Europeia. A livre circulação de mercadorias é quase total, estando já a zona de comércio livre a produzir o seu pleno efeito desde o ano de 2012.

Finalmente, a política africana de Marrocos confere ao país uma dimensão adicional. Em 2015, as empresas marroquinas investiram perto de 300 milhões de euros no continente com uma presença significativa em áreas estratégicas tais como a banca, as telecomunicações, as minas, a logística, etc. Perspetiva-se, também, a adesão a breve trecho á Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CDAO).

É neste contexto, que a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Marroquina organiza uma nova missão empresarial multissectorial a Marrocos de 15 a 17 de Novembro de 2018 onde procuraremos ir ao encontro dos objetivos específicos dos participantes, facultando contactos diretos com importadores e parceiros locais.

Na expectativa da vossa participação, apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

Tawfiq Rkibi

Presidente

 

 Rua Manuel da Silva Leal, 1 C – Escritório 3 – 1600-166 Lisboa

Tel: (351) 213 970 036 – Fax: (351) 213 970 588 –  ccilm@ccilm.pt – http://ccilm.pt/